TAGORE

A bateria abre o caminho para um violão ensolarado clarear o horizonte, seguido de uma guitarra em transe, que envolve os acordes originais numa bruma lisérgica, amparada por um baixo melódico e synths siderais comandados por João Cavalcanti. Antes mesmo de dizer uma palavra em seu quarto álbum, o pernambucano Tagore Suassuna já estabelece o clima de seu novo disco a partir da faixa que o batiza, “Maya”.
 
“É um disco sobre a saudade, sobre a falta que uma pessoa pode fazer”, me explica o cantor e compositor pernambucano, remontando ao início do disco, composto num jorro criativo ainda em 2018. “A saudade é um sentimento potente”, continua o músico, que se inspirou no título em sânscrito do livro de 1999 de mesmo nome do autor norueguês Jostein Gaarder para batizar sua nova viagem. Ele fala sobre o conceito milenar indiano de Maya, que diz que habitamos um mundo de ilusões e precisamos nos concentrar em nós mesmos para ultrapassarmos esta camada de aparências.
 
“Tudo é subjetivo, a própria matéria é subjetiva, os átomos nem chegam a se encostar, mas dão a ideia de que fazem parte de um todo concreto, e a partir disso comecei a entender como a saudade também é um sentimento quântico, porque você não sabe o que é real e o que é uma projeção sua”, continua o compositor.
 
A faixa-título dá uma breve pausa para que Tagore apresente este conceito com sua voz adocicada. “Dá um trabalho danado fingir que eu não me importo”, cantarola recepcionando o ouvinte em sua melancolia particular, “fingir que eu não sou louco por você”. O clima envolvente da primeira música conquista o ouvinte quase como um mantra - a repetição circular da letra e dos acordes acompanha um crescendo de paredes sonoras, que culmina com um solo dilacerante e apaixonado. O verso repetido ao final - “dá vontade de gritar com todo o meu amor” - enfatiza o clima do álbum, que Tagore descreve como “coracional”.
 
É um disco menos psicodélico e mais melódico que seus dois discos anteriores, "Movido a Vapor" (2014) e "Pineal" (2016), embora nunca abandone sua natureza technicolor. “O "Pineal" tinha uma roupagem etérea e uma espacialidade que tirava um pouco o ingrediente pop da nossa sonoridade”, lembra o compositor, que cita referências bem distantes de seu universo musical como influências nesta linguagem mais direta que o disco apresenta, como o rapper Criolo e o MC do grupo BaianaSystem Russo Passapusso, que em seus discos solo não se prendem a um determinado gênero musical, soando universais ao mesmo tempo em que são muito pessoais.

Produzido pelo ex-baterista da Nação Zumbi, Pupillo Oliveira (que já trabalhou com Lirinha, Otto, Gal Costa, Paulo Miklos, Edgar, Erasmo Carlos e Nando Reis), o disco começou depois que Tagore tocou no festival Psicodália, no Rio Grande do Sul, no início de 2017. Veio parar em São Paulo e trancou-se no estúdio da banda paulista Bike para começar a rascunhar as primeiras canções. “A solidão é muito frutífera”, explica Tagore, descrevendo o processo de maturação do disco que se tornaria "Maya". Uma pessoa em comum colocou o cantor e compositor em contato com seu futuro produtor, que a partir de 2018 começava a ajudar o disco a tomar forma.
 
No estúdio Space Blues, em São Paulo, Pupillo não só ajudou o disco a ganhar corpo, como virou algumas músicas do avesso, puxando inclusive referências eletrônicas para “Maya” - não necessariamente literalmente -, mas em termos de atmosfera, como o duo francês Air e o disco dance de Céu, "Tropix", também produzido por Pupillo.
 
Durante a gravação, que começou após a participação de Tagore no festival Lollapalooza em 2018, além dos integrantes de sua banda, como o  parceiro e  baixista João Cavalcanti e o  guitarrista Arthur Dossa (The Raulis) ele também convidou colegas de outros carnavais, como Dinho Almeida e Benke Ferraz dos Boogarins e o bateria do próprio Pupillo.
 
O disco estava previsto para ser lançado em 2020, mas a quarentena tornou o futuro mais incerto, Tagore então, sem poder fazer shows devido à pandemia, recolheu-se num sítio no interior de Pernambuco. Neste período introspectivo, reconectou-se com as artes visuais e o design, produzindo as peças que ajudariam a moldar “Maya” - desde a capa aos clipes.
 
Antes disso, lançou o single “Drama”, que gravou ao lado do guitarrista dos Boogarins, Dinho, como uma forma de manter o contato com o público. A música acabou integrando o repertório do disco, que finalmente vê a luz do dia em 2021.
 
Em “Maya”, Tagore abraça uma sonoridade mais ampla e direta sem perder seus vínculos psicodélicos. À exceção da etérea “Espaço-Tempo”, que encerra o disco, todas as faixas têm refrões e melodias que grudam no cérebro junto com versos, riffs e solos que fazem conexões musicais das mais diversas. “Olho Dela”, que celebra que “a vida se divide entre vida e ilusão”, acena para Jorge Ben enquanto “Tatu” foi feita pensando em Tom Zé.  “Areias de Jeri” e “Capricorniana” conversam com o udigrudi nordestino de autores como Alceu Valença e Ave Sangria, já “Colombina”, inspirada no show de Liam Gallagher no Lollapalooza, tem uma raiz Oasis que foi desconfigurada por Pupillo, em uma das faixas mais modernas do disco.
 
A última faixa foi uma tentativa de Tagore colocar em imagens a apresentação do disco, trazendo “o ser que fez o disco, que sou eu mas não sou eu, se despedindo, de volta pra onde ele veio, depois de concluir o que ele tinha de fazer, retomando seu próprio lugar, que é menos direto, menos dançante, menos na cara... Com a mensagem final, de amor e saudade, só que de uma forma bem diluída, o regresso para o etéreo”, conclui Tagore, citando o desenho psicodélico Midnight Gospel como referência.
 
"Maya", portanto, abraça a dor como processo de redenção, usando a falta do outro e a saudade como combustível para ir além - e suportar todo este processo, conversando de uma forma estranha com este pesadelo que o mundo foi submetido desde o início de 2020, que Tagore resume em um verso de “Olho Dela”: “Ferida de saudade veio pra curar”.

 

"Maya" é um lançamento do selo Estelita e está disponível nas principais plataformas de streaming.